25º Top Of Mind de RH

Como se preparar para recrutar profissionais em períodos sazonais

Como se preparar para recrutar profissionais em períodos sazonais

A aceleração da vacinação contra a Covid-19 trouxe expectativas positivas para profissionais que estão em busca de recolocação no mercado de trabalho. De acordo com a Associação Brasileira do Trabalho Temporário (ASSERTTEM), mais de 565 mil vagas temporárias devem ser abertas entre outubro e dezembro deste ano. 

Segundo a entidade, no primeiro semestre de 2021 as contratações temporárias foram fundamentais na retomada econômica, gerando volume de renda superior a R$ 3,36 bilhões. Ao todo, o período registrou mais de 1,3 milhões de contratações em regime temporário. 

No semestre final do ano, indústria (60%), serviços (25%) e comércio (15%) devem puxar a fila das vagas temporárias. Para Fernando Medina (capa), CEO da Luandre, é fundamental que o preenchimento das oportunidades seja estratégico. Embora a pandemia ainda não tenha chegado ao seu fim, por conta da vacinação as empresas estão conseguindo retomar seu ritmo de contratações e de produção.

Além disso, períodos sazonais como as festas de final de ano são um importante momento não só para a recolocação e para o ‘boom’ das vagas temporárias, mas também para os negócios aumentarem suas vendas e potencializarem sua marca empregadora.

“As festividades de final de ano, assim como a tradicional Black Friday, são excelentes oportunidades para que as empresas consigam explorar todo seu potencial de negócios. Para isso, é importante que elas tenham um olhar estratégico e preparem seu quadro de funcionários a fim de conseguirem atender o aumento de demanda de final de ano. Como as contratações temporárias obedecem a períodos de alta demanda, é fundamental que as empresas busquem profissionais que estejam dispostos a dar o melhor de si e prontos para colaborar com os resultados da organização no período”, destaca Medina.

Os desafios do recrutador

Apesar das contratações em períodos sazonais serem praticamente uma “tradição” no mercado brasileiro, sendo as épocas de festas muito esperadas por quem busca uma nova oportunidade profissional, recrutar para tantas vagas pode ser uma verdadeiro desafio para o RH. 

Medina destaca que há várias formas de se realizar contratações em massa para sazonalidade porém “a mais efetiva e que a Luandre utiliza é por meio de um sistema próprio que realiza a primeira triagem de candidatos de forma automática e de acordo com características chaves solicitadas pelo cliente, seja para contratações temporárias ou efetivas”. 

O executivo esclarece, também, que plataformas de entrevista por vídeo ganharam força, assim como o uso das redes sociais para atração de candidatos, ações que têm o potencial de trazer agilidade ao processo de contratação.

“Na Luandre, utilizamos sistema próprio para gestão dos processos seletivos e um portal exclusivo para publicação de vagas e captação de candidatos. Com isso, mantemos um banco com mais de 3,8 milhões de candidatos ativos e uma metodologia de recrutamento e seleção que otimiza as etapas do processo, unindo inovação com a experiência de mais de 50 anos em RH na busca ágil e efetiva dos melhores talentos para cada empresa”, diz.

Ainda segundo o CEO, a otimização dos processos é benéfica aos candidatos também no sentido deles não precisarem se deslocar fisicamente e, em poucos cliques, poderem fazer pesquisas, filtros, candidaturas e outros processos de modo online e gratuito.

“Também consegue acompanhar o status de seu processo de uma forma simples por meio do portal do candidato. Em seu perfil exclusivo, ficam disponíveis todos os status de cada processo seletivo em que o candidato se inscreveu, o que possibilita consulta a qualquer momento. Sobre o processo seletivo, a Luandre desenvolveu uma plataforma de entrevistas por vídeo que possibilita a relação da entrevista a distância, agilizando as etapas do processo e otimizando o tempo do candidato e do recrutador.

Por fim, o vencedor da categoria “Empresário de Destaque” do Top of Mind de RH 2017 deixa claro que os profissionais não precisam ter receios ou se deixarem levar por crenças envolvendo a tecnologia na seleção. Segundo Medina, a inteligência artificial e outros sistemas que permitem triagens rápidas de currículos “nada mais fazem do que um comparativo por meio de palavras-chave ligadas aos critérios divulgados na vaga, por isso, cabe ao candidato investir tempo em tornar o seu currículo atrativo para seguir para as próximas etapas”.